Quer receber conteúdos de alto impacto?

Faça como dezenas de investidores, deixe seu email e receba nossos conteúdos diretamente no seu email.

Seu cadastro na newsletter foi realizado com sucesso! Fique ligado nos nossos e-mails 📩
Ops! Algo deu errado ao enviar o formulário.

Como identificar pirâmides financeiras que usam criptomoedas como isca

Mercado

Escrito por

Lorenzo Frazzon

em

20

de

Jan

de

2020

TOPO

Identificar pirâmides financeiras nem sempre é uma tarefa fácil, mas existem algumas características que denunciam esse tipo de esquema.


Casos de pirâmides financeiras e de investidores que perderam tudo não são novidade no Brasil. TelexFree, Avestruz Master e Boi Gordo são apenas os exemplos mais famosos desse tipo de golpe que vem fazendo vítimas a longa data no país.

Porém, com a popularização do Bitcoin e outras criptomoedas, hoje o número de pirâmides cresceu e conseguiu fazer muito mais vítimas com a promessa de ganhos fáceis e lucros exorbitantes através do investimento em criptos.

Entre os casos recentes estão a Bit Connect, Midas e Unick, esquemas que quebraram deixando milhares de investidores no prejuízo. 

Outros, em vias de quebrar de vez, como Atlas e Investimento Bitcoin, fizeram outras milhares de vítimas.

Por isso, se você já investe ou pretende investir em criptomoedas, precisa ficar atento para não cair nesse tipo de golpe

Esquemas de pirâmide possuem características bem específicas que tornam possível identificá-los e no artigo a seguir você descobre quais são. Acompanhe e descubra!

O que é uma pirâmide financeira

Em 1920, o imigrante italiano Charles Ponzi criou um esquema que prometia enormes ganhos em pouco tempo e atraiu milhares de investidores americanos. 

A promessa: 50% de lucro sobre o valor investido em apenas 45 dias.

O negócio era baseado na compra de cupons europeus que seriam trocados por selos americanos a um preço mais caro.

A diferença entre os valores pagaria quem estivesse disposto a investir no esquema.

Porém, na realidade o dinheiro que remunerava os investidores não vinha da compra e troca de cupons, mas sim da entrada de novos participantes. O que obviamente não se sustentou por muito tempo.

Seria necessário que houvesse pelo menos 160 milhões de selos nos EUA para que todos os participantes pudessem lucrar, quando na realidade só haviam 27 mil em circulação.

Assim, o negócio ruiu e milhares de pessoas ficaram no prejuízo, resultando na maior fraude financeira do século 20, estimada em 50 bilhões de dólares.

O “esquema de Ponzi”, como ficou conhecido esse famoso caso, é um dos melhores exemplos de pirâmide financeira que podemos encontrar. 

Nelas, o foco não está em vender um produto ou fazer investimentos, e sim em atrair cada vez mais pessoas para o esquema.

O novos participantes sempre pagam o lucro dos antecessores, fazendo com que o negócio só seja vantajoso para aqueles que estão no topo. O que acaba gerando um ciclo vicioso que inevitavelmente vai ruir.

Até lá, os gestores do esquema investem pesadamente em divulgação, visando atrair o maior número de pessoas possível. 

Estas são estimuladas a convidar seus amigos e família, formando a base da pirâmide financeira.

No fim o resultado é sempre o mesmo: cada vez menos pessoas entram no esquema até o momento em que ele se torna insustentável e desaba, deixando muita gente no prejuízo.

Por que o Bitcoin e outras criptomoedas se tornaram alvo de esquemas de pirâmide?

Como vimos, casos de pirâmide financeira estão por aí desde os anos 20, usando de diferentes artifícios para enganar as pessoas. 

Mas por que o Bitcoin e outras criptos são a bola da vez? Por que há tantos golpes com criptomoedas?

A resposta está na alta volatilidade desse tipo de ativo e na facilidade que os criminosos encontram para esconder o rastro do dinheiro. 

Ao contrário do mercado tradicional, o mercado de criptomoedas varia muito e altas de até 10% do dia para a noite são relativamente comuns.

Isso cria a ideia ilusória de que é realmente possível obter altos ganhos em pouco tempo, como prometem os esquemas. 

O que acaba atraindo um número grande de pessoas, como é necessário para que uma pirâmide exista.

Além disso, como todo o dinheiro das vítimas é transformada em criptomoedas, um ativo descentralizado, fica mais fácil evitar o rastreamento e escondê-lo da polícia e da justiça. 

Na maioria das pirâmides atuais, o dinheiro sequer passa pelo sistema financeiro tradicional.

Dessa forma, estelionatários têm nas criptomoedas tudo aquilo que precisam para fazer uma pirâmide funcionar

O que explica tantos casos desse tipo de esquema envolvendo as criptos.

Como identificar pirâmides financeiras que utilizam criptomoedas como isca?

Embora nem sempre seja fácil reconhecer uma pirâmide financeira, que usa o nome Bitcoin e de outras criptomoedas apenas como marketing num primeiro contato, existem algumas características que tornam possível identificar esse tipo de esquema.

Promessas como: “Lucre 30% em três dias e mude sua vida”, “Invista em Bitcoin com a gente e tenha renda diária”, “Indique para amigos e seja remunerado por isso”, são o primeiro sinal de alerta.

Isso porque elas expõem os principais artifícios usados pelas pirâmides para atrair investidores e manter o esquema: a promessa de lucro fácil e a necessidade de captar cada vez mais pessoas.

Abaixo, você confere os detalhes e outras características que denunciam um esquema de pirâmide financeira e como você pode identificá-las. Confira!

Promessas de ganhos fáceis, retorno garantido ou lucros exorbitantes em pouco tempo

Uma das principais características de qualquer pirâmide financeira é a promessa de ganhos fáceis, retorno garantido e/ou lucros exorbitantes em pouco tempo. 

Obter retornos dessa forma é praticamente impossível em qualquer tipo de ativo e o mesmo vale para o Bitcoin e outras criptos.

Por isso, desconfie de qualquer proposta de investimento que prometa renda diária, alto lucro com criptomoedas em um curto período de tempo ou garanta retornos exorbitantes. 

Não existe empresa no mercado que pague rendimentos diários de 1.5% a 5%.

Ganhos extras ao indicar novos clientes

Como vimos, para que uma pirâmide financeira se mantenha de pé é necessário que cada vez mais pessoas participem. 

Por isso, é comum que esse tipo de esquema ofereça remuneração pela indicação de novos participantes. 

Geralmente, os investidores são convidados a chamar família e amigos para participarem.

Assim, desconfie sempre de qualquer empresa que ofereça ganhos extras pela indicação de novos investidores. Muito provavelmente é golpe!

Pouca informação a respeito do produto oferecido sobre a empresa e seus responsáveis

Se os líderes de uma empresa focam mais em mostrar os rendimentos dos seus investidores do que o tipo de investimento oferecido, há grandes chances de ela ser uma pirâmide. 

Isso porque, como vimos anteriormente, nesse tipo de esquema o dinheiro não vem da aplicação em criptomoedas e sim da entrada de novos participantes. 

Dessa forma, é comum que haja pouca informação sobre o tipo de investimento oferecido e os esforços da empresa sejam focados em mostrar o quão “vantajoso” é o negócio, visando atrair novos participantes.

Além disso, esquemas de pirâmide geralmente disponibilizam pouca ou nenhuma informação sobre a empresa e seus responsáveis, sendo esse mais um sinal de alerta importante.

Como investir em Bitcoin e outras criptomoedas da maneira correta

Nenhum tipo de investimento paga retornos exorbitantes em um curto período de tempo e as criptomoedas não são uma exceção. 

Qualquer promessa desse tipo é indício claro de pirâmide financeira.

Se você pretende investir em Bitcoin e outras criptomoedas, opte pelo investimento a longo prazo, que oferece muito menos riscos e é muito mais vantajoso. 

Continue acompanhando o blog da Investor para aprender mais sobre essa modalidade de investimento, temos diversos artigos abordando esse e outros assuntos relacionados à compra e venda de criptomoedas.

Lorenzo Frazzon

CSO, Economista