Quer receber conteúdos de alto impacto?

Faça como dezenas de investidores, deixe seu email e receba nossos conteúdos diretamente no seu email.

Seu cadastro na newsletter foi realizado com sucesso! Fique ligado nos nossos e-mails 📩
Ops! Algo deu errado ao enviar o formulário.

O que é criptomoeda e como funciona?

Criptomoedas

Escrito por

Lorenzo Frazzon

em

16

de

Jul

de

2019

TOPO

Se você tem algum interesse pelo mercado financeiro (e nós acreditamos que essa seja a razão que te trouxe até aqui) com certeza já ouviu falar em criptomoedas. Pode até não saber o que eles significam, mas você já cruzou com essa palavrinha por aí.

Os bitcoins são um tipo de criptomoeda. Mas não é a única, aliás já existem centenas no mercado. Até o Facebook está lançando sua própria criptomoeda, sabia? Mas isso é assunto para outro post.   

Voltando ao assunto, as criptomoedas são moedas virtuais e assim como qualquer outro tipo de moeda, pode ser utilizada para fazer transações financeiras: como compras e pagamentos.

No entanto, existem 3 diferenças básicas que diferem as criptomoedas das moedas não-virtuais como o dólar, euro e o real, por exemplo.

A primeira delas é a descentralização, ou seja, essas moedas não são regulamentadas por um Banco Central, Governo ou nenhuma instituição financeira. As transações não precisam ser validadas por uma terceira parte, a rede da própria criptomoeda faz a confirmação de que tudo está correto. Isso leva ao bom funcionamento do livre mercado entre compradores e vendedores. A consequência disso é  que a oscilação de preço da moeda acaba sendo muito intensa.

A segunda diferença é o anonimato. As transações de criptomoedas não exigem nenhum tipo de envio de dados de quem as negocia. Elas (transações) podem ser feitas entre duas partes e somente é necessário saber o endereço para onde devem ser enviadas as criptomoedas.

O terceiro ponto é o baixo custo das transações. Como não existe uma instituição que regula as transações com criptomoedas e a própria rede faz as validações, o custo de transacionar é muito reduzido e em alguns casos chega a ser nulo.. Com isso, as criptomoedas acabam sendo uma alternativa viável para transações internacionais, por exemplo, onde as taxas podem ser bem altas se realizadas por meios tradicionais, como Western Union, por exemplo.

Nesse momento você deve estar pensando. "Ok, mas de acordo com o que foi descrito até aqui as criptomoedas não me parecem muito confiáveis."

Calma, vamos explicar tudo a seguir, siga os tópicos para facilitar sua navegação:


O que é criptomoeda e como funciona?


A tecnologia Blockchain

Resumindo, a tecnologia de Blockchain garante a confiabilidade das transições. Isso porque esse complexo sistema tecnológico processa e armazena todas as  informações confidenciais referentes às transações financeiras com criptomoedas. 

Pense bem, muita gente não confia nos bancos justamente porque eles centralizam informações e ninguém tem acesso aos dados para verificar sua autenticidade. Já com as moedas virtuais, todos podem verificar o que está ocorrendo sem que ninguém controle informações particulares.

A blockchain é um livro aberto e distribuído que pode registrar transações entre duas partes de maneira eficiente, verificável, e permanente".

Agora que você já sabe o que é uma criptomoeda vamos listar as principais criptomoedas que vêm sendo negociadas no mercado.


3 Principais Criptomoedas do mercado

Pode até ser que você só tenha ouvido falar em Bitcoin, mas existem outras criptomoedas que são negociadas no mercado financeiro.

1. Bitcoin - o Bitcoin é sem dúvida a criptomoeda mais conhecida. Isso porque, ela foi criada em 2009 e hoje é aceita em mais de 10 mil estabelecimentos ao redor do mundo. Além disso, o bitcoin é, sem sombra de dúvida, a criptomoeda mais negociada e com maior capitalização de mercado. 

Uma informação crucial sobre o Bitcoin é o limite na quantidade de moedas: sabe-se que  21 milhões é número máximo de moedas definido pelo algoritmo.

Lembra que falamos do Blockchain? Pois é, o Bitcoin é minerado (você já vai entender o que é isso) através de um sistema que resolve problemas matemáticos complexos e a cada 10 minutos um bloco é gerado, nesse bloco são inseridas todas a transações realizadas, depois que uma transação é inserida no bloco e o bloco é gerado, ela nunca mais pode ser revertida aí reside a magia da imutabilidade. 

Originalmente, cada bloco gerava uma recompensa de   50 Bitcoins. Desde 2012, o número de Bitcoins por bloco é reduzido pela metade a cada quatro anos. Hoje, cada bloco minerado gera 12,5 Bitcoins.  

Portanto, o número total de Bitcoins em circulação, atualmente na casa dos 17 milhões, deverá crescer em um ritmo cada vez mais lento. Estima-se que o último Bitcoin será minerado apenas em 2140.

2. Ethereum - logo atrás do bitcoin temos o Ethereum. Essa criptomoeda utiliza o mesmo conceito de consenso e rede de distribuição do Bitcoin, para garantir a segurança do seu sistema.. No Ethereum, os usuários podem construir aplicações descentralizadas para diversas finalidades - uma criptomoeda, ICO e até sistemas de votação. Essas aplicações precisam de combustível para funcionar e esse combustível é o Ethereum, também conhecido como Ether.

3. Litecoin - dizem por aí que o Litecoin é a prata das criptomoedas, isso porque o bitcoin seria o ouro. Essa moeda compartilha do mesmo código do Bitcoin, porém com algumas diferenças: ela possui menores taxas de transação e uma maior capacidade de operações por segundo. 


Como funcionam as criptomoedas

Para começar a adquirir criptomoedas você precisará de uma carteira digital (wallet). Que funciona basicamente como uma carteira tradicional. É com ela que você vai armazenar suas criptomoedas. 

A Carteira digital é, na verdade, um software com chaves criptográficas que permite realizar transações. Cada criptomoeda tem suas próprias carteiras, mas também há a opção das carteiras multi-moedas, em que é possível utilizar várias criptomoedas em uma única carteira. 

E somente com essa carteira digital é possível fazer movimentações, o software funciona como um registro, não apenas de suas próprias atividades, mas também de transações realizadas em todo o mundo.

Na Investtor, é oferecido para os clientes a opção de comprar um pacote com diversas criptomoedas, mas sem os riscos de ter que gerenciar  uma carteira multi-moedas.

Assim como qualquer outra moeda você pode receber e realizar pagamentos com suas criptomoedas (basta encontrar instituições que as aceitem. No entanto, as criptomoedas ainda estão sendo adquiridas como opção de investimento. Isso ocorre porque com sua popularização, a perspectiva é que o valor cresça, aumentando o seu poder de compra.


O que é mineração de criptomoedas?

A primeira coisa que vem à cabeça quando escutamos falar em mineração de criptomoedas é aquela imagem antiga e tradicional de um minerador. Bom, pelo menos foi o que veio à minha mente na primeira vez que ouvi o termo. 

Mas, na verdade, mineração de criptomoedas é o processo de validar e executar as transações de uma criptomoeda localizada na Blockchain. Bom, na verdade não deixa de ser uma certa "escavação", já que você tem que encontrar a "hash", ou a chave que criptografa os blocos. 

Lembra que dissemos que o Blockchain é como um livro de registros onde cada transação com criptomoeda é registrada de forma cronológica e linear? Pois bem, toda vez que uma hash é encontrada por um minerador, ele informa na rede. Sempre com um pedido de recompensa. Por isso a analogia a mineração, entenderam? ;)

Vale lembrar que cada criptomoeda tem um processo de mineração e que este é um trabalho complexo que requer tempo, esforço e tem um custo. Por outro lado, é essa complexidade que evita que cibercriminosos possam gerar blocos falsos e adicioná-los à rede ou que modifiquem um bloco existente.

Em suma, os mineradores garantem transações honestas resolvendo problemas matemáticos difíceis e, ao fazê-lo, são recompensadas com criptomoedas.

Esse é apenas um resumo do que são as criptomoedas e de como elas funcionam. Existe muito mais para saber e entender desse mercado tão fascinante. Acompanhe nosso blog e fique por dentro de todas as novidades do universo das criptomoedas.

Lorenzo Frazzon

CSO, Economista