Quer receber conteúdos de alto impacto?

Faça como dezenas de investidores, deixe seu email e receba nossos conteúdos diretamente no seu email.

Seu cadastro na newsletter foi realizado com sucesso! Fique ligado nos nossos e-mails 📩
Ops! Algo deu errado ao enviar o formulário.

Lastro do Bitcoin: o que é e como funciona

Criptomoedas

Escrito por

Pedro Camara

em

1

de

Oct

de

2019

Uma dúvida que surge a muitos ao conhecer o Bitcoin: Qual é o lastro do Bitcoin? Vou explicar nesse artigo o que isso significa!

Antes de falar sobre o lastro do Bitcoin, vou contar rapidamente um pouco da história do dinheiro e explicar brevemente o que é e para que serve o Lastro.

O que é dinheiro?

Desde os primórdios da humanidade o homem produz ou extrai da natureza tudo que é necessário para a sobrevivência, e com o tempo, fomos criando novas necessidades básicas, hoje por exemplo, um smartphone é essencial para nossa vida. No entanto, cada indivíduo possui uma capacidade limitada de produção, e com isso começamos a realizar trocas, nasceu assim o primeiro modelo de dinheiro utilizado pela humanidade, o escambo.

Mas o escambo se mostrou pouco eficiente, imagina só, trocar uma vaca por um saco de farinha? Ou ainda acumular capital para comprar algo mais caro, como comprar uma casa? Não deveria ser fácil. Devido a essa necessidade, surgiu o dinheiro (vou deixar a história para outro artigo), nada mais que um meio de troca e reserva de valor aceito por todos os indivíduos.

No decorrer da história, já utilizamos muitas formas de dinheiro bastante distintas. Na roma antiga, até couro de animais foi utilizado como dinheiro, e também o sal - e é daí que surgiu o termo salário. Não foi atoa que esses dois modelos foram adotados, tanto o sal quanto o couro possuem uma certa escassez e são divisíveis, algumas das principais características para um dinheiro forte. Mas de todos os modelos utilizados até agora, um dos mais importantes ainda é ouro.

O ouro como dinheiro

O ouro é utilizado a milhares de anos como uma moeda de troca, possui características físicas que o tornam uma moeda de troca com muito valor. Algumas delas são:

  • Escassez: a mineração do ouro é difícil e a quantidade de ouro disponível é limitada;
  • Durável: o ouro não corrói e pode durar para sempre;
  • Divisível e fungível: é possível derreter o ouro e moldá-lo em qualquer tamanho e formato.

Devido a essas características naturais, ele naturalmente passou a ser utilizado e aceito como moeda de troca, as pessoas passaram a acreditar no ouro para representar o valor do seu trabalho ou produto.

Além disso tudo, a escassez e a dificuldade em encontrar "novo" ouro, garante uma inflação estável, ou seja, que o dinheiro não irá perder valor devido ao aumento do ouro disponível no mercado. Essas características possibilitaram às pessoas o acúmulo de riqueza no decorrer do tempo, pois existe a segurança de que a moeda não irá se desvalorizar (inflação), e no futuro, terá praticamente o mesmo valor.

Mesmo com todos esses atributos, sendo divisível e fundível, ainda havia o problema de logística. Na idade média, era comum as pessoas andarem com sacolas de moedas balançando e mostrando a quem desejasse ver o quanto de moedas possuíam. Além de não ser muito seguro, era difícil mover grandes valores.

Então, em meados de 1800 começou-se a adotar o padrão ouro na Europa e Estados Unidos. Foi criado pelos bancos o "vale ouro". Com isso, as pessoas guardavam o ouro no banco e o banco emitia um papel que dava o direito de resgate a um determinado valor depositado previamente no banco. Foi o começo do papel moeda como conhecemos hoje.

Afinal, o que é lastro?

O lastro é uma garantia de que determinado ativo tem valor. O "vale ouro", que comentei acima é apenas um papel, sem valor algum, o valor dele está na garantia que o papel poderá ser trocado pelo ouro, a verdadeira moeda.

Com o tempo, o "vale ouro" evoluiu até o que conhecemos hoje como dinheiro ou o papel moeda. Até 1971 foi utilizado o padrão dólar-ouro, onde o dólar era lastreado em ouro e muitos países adotaram o câmbio dólar. Para emitir mais dólares era necessário que o governo possuísse o equivalente em ouro em suas reservas. Por muito tempo o Dólar foi uma espécie de vale ouro.

Mas esse modelo foi abandonado. Hoje as moedas fiduciárias (Dólar, Euro, Real) não possuem mais lastro (em ouro), são moedas de curso forçado, ou seja, os governos obrigam o uso da moeda local utilizando-se de leis, diferente do ouro que naturalmente passou a ser utilizado como moeda.

Qual é o lastro das moedas fiduciárias?

O papel que utilizamos diariamente não possui lastro. Seu valor está atrelado à palavra dos bancos centrais e o poder dos governos em forçar o uso de tal papel. As pessoas que a utilizam "confiam" no emissor e acreditam que o papel tem valor. Isso dá a garantia de que outras pessoas irão aceitar o papel em troca de produtos ou serviços.

Moedas desse tipo garantem muito poder aos bancos centrais e governos, e de certa forma, prejudicam os usuários. Enquanto o padrão dólar-ouro foi utilizado, havia uma garantia de que só seria impresso mais papel moeda se houvesse uma reserva. Atualmente qualquer governo pode criar mais "dinheiro" à vontade, e quanto mais papel no mercado, menos valor ele terá. É uma regra básica de mercado, a oferta e demanda.

E o lastro do Bitcoin?

Contei toda essa história para mostrar o que é uma moeda de troca (neste caso o ouro) e o que dá valor a essa moeda. Baseado nisso, podemos dizer que o Bitcoin, assim como o ouro, são moedas de troca. O valor está nas características do ativo que já garantem seu valor e excluem a necessidade de um lastro. 

As características da criptomoeda que garantem esse valor são:

  • Escassez: a quantidade de Bitcoins que serão mineradas é limitada em 21 milhões de unidades;
  • Durável: a não ser que você perca suas chaves privadas ou que ocorra um colapso na internet mundial, seu Bitcoin existirá para sempre;
  • Divisível: a menor unidade do Bitcoin é chamada de Satoshi, e cada Bitcoin possui 100 milhões dessa unidade;
  • Fundível: não é a palavra ideal, mas para ilustrar que o Bitcoin possui as mesmas qualidades (e ainda mais) do ouro. É possível transportar e guardar seus Bitcoins com muita facilidade (embora, ainda não seja a melhor experiência para um usuário iniciante).

Mas se ainda assim você não se sente seguro quanto a isso, podemos considerar que o Bitcoin é lastreado em tecnologia e algoritmos. A tecnologia blockchain dá ao Bitcoin todas essas propriedades. Seu funcionamento é totalmente autônomo, distribuído em milhares de computadores em todo o mundo e totalmente seguro. Já fazem mais de 10 anos que o Bitcoin está em funcionamento, e em nenhum momento essa tecnologia falhou no que ela se propõe a resolver.

Neste artigo abordamos um pouco da história do dinheiro, de maneira bem resumida e simplista. Somente este assunto geraria um outro artigo bastante longo. Busquei mostrar a importância de utilizarmos moedas fortes, que tenham valor e principalmente, que deem o poder as pessoas que a utilizam.

Podemos notar que ao longo da história evoluímos a maneira como realizamos trocas e isso foi fundamental para vivermos em comunidade. Antes do modelo atual de dinheiro, o papel moeda, toda forma de moeda de troca foi adotada de maneira natural entre os indivíduos, muito diferente modelo corrente, que é uma moeda de curso forçado por governos e bancos centrais.

Esse modelo é muito frágil e perigoso, pois não há um controle de quanto dinheiro pode existir. Com o fim do padrão ouro, a inflação passou a ser controlada pelos governos, e desde lá, os países não pararam de imprimir novos papéis. A regra de mercado é bem clara, quanto mais produto no mercado, menor é o seu valor. Essa é a inflação que com tempo destrói o poder de compra dos indivíduos.

Essa é uma das mais importantes características do Bitcoin, com Bitcoin a inflação é praticamente zero. Na prática, isso significa que 1 Bitcoin hoje valerá 1 Bitcoin no futuro, o que não acontece com o Real, por exemplo. Para se ter ideia, desde que o plano Real foi criado, em 1994, a moeda perdeu mais de 90% do seu poder de compra, isso, devido a inflação no decorrer dos anos.

Para finalizar, é muito importante entender que o Bitcoin é uma moeda e que  possui seu próprio valor, devido às características que foram apontadas ao longo deste artigo.

Quer proteger seu capital contra a inflação? Compre Bitcoin (e ouro), não importa o preço, o valor do Bitcoin não está em seu preço, e sim nos problemas que ele resolve.

Gostou deste conteúdo? Então continue em nosso blog e leia agora mesmo o artigo: Como calcular o preço do Bitcoin.

Pedro Camara

CTO, Desenvolvedor Full-stack